28.3.11

Podia escrever sobre ti, sobre mim, sobre nós. A cena é que sobre nós não há mais nada a dizer. Foste, és e serás uma página virada na minha vida, pois é impossível por mais paciência que uma pessoa tenha aguentar tanta mentira, tanto engano, tanto sofrimento.
Quero libertar-me de ti e de tudo o que me liga a ti. Apaguei fotografias, músicas, momentos... fiz um delete e depois um reset e ainda formatei, só para ter a certeza que não tinhas ficado como um vírus daquele tipo que por mais que o AVG secanize não desaparece!
Sim, hoje sou capaz de dizer: "já eras, já fostes." O comboio passou e eu não fiquei para apahá-lo. Nem me dei ao trabalho de levantar-me daquele banco de estação só para espreitar o que lá vinha. Nem ouvi a menina da estação a anunciar a tua entrada no cais 1. Nem mesmo o tempo que tiveste parado à minha frente, a meter a carga toda que te faz tão feliz e tão seguro de ti mesmo, me fez levantar... Porque sejamos francos, o meu coração já não dipsara quando te vê, a minha barriga já não sente aquelas borboletas que sentia... e os meus olhos já não brilham quanto te aproximas.
Pois é meu "amigo" és uma página bem arrancada do meu caderno, daquelas que saem tão direitinhas que até dá orgulho de ver que o caderno ficou perfeito mesmo sem uma mísera página!


"Ele foi uma etapa, uma pessoa que te fez feliz e que, agora, já não tem nada para te dar.
E tu não podes viver agarrada ao passado."

Sem comentários:

Enviar um comentário